Rádio Paradiz – uma emissora local pirata na ditadura portuguesa

Luis Bonixe

Abstract


No final da década de 1950, José Guilherme Paradiz criou uma emissora local pirata em Pernes, no distrito de Santarém. Apesar do regime de ditadura e da censura, a experiência manteve-se durante praticamente um ano, entre 1959 e 1960. A Rádio Paradiz, assim se chamava a emissora, antecipa assim em 18 anos o início da existência de emissoras locais piratas em Portugal, apesar de se constituir como um caso isolado que não teria continuidade nos anos seguintes. Na história das rádios-piratas portuguesas, a Rádio Paradiz só teria uma sucessora em 1977, quando foi criada a Rádio Juventude, em Odivelas. O artigo procura situar esta experiência no contexto do setor da radiodifusão portuguesa na transição de décadas (de 1950 para 1960) e no quadro teórico da radiodifusão local pirata na Europa e em Portugal, procurando identificar na experiência da Rádio Paradiz especificidades que viriam a caracterizar o movimento da radiodifusão local nas décadas de 1970 e 1980. Para a nossa pesquisa sobre esta experiência de radiodifusão pirata, recorremos a fontes documentais, em particular artigos publicados na imprensa local e nacional e a uma entrevista ao fundador da rádio, José Guilherme Paradiz. A Rádio Paradiz terminaria em meados de 1960, quando a PIDE se dirigiu à localidade de Pernes para encerrar a emissora.

Keywords


Rádio; Rádios-Piratas; Rádio Paradiz; Ditadura; Portugal

Full Text:

PDF


DOI: https://doi.org/10.15847/obsOBS15220211744

License URL: http://creativecommons.org/licenses/by-nc/2.0/