A empresa jornalística como ator político: Um estudo quanti-qualitativo sobre o impeachment de Dilma Rousseff nos editoriais de Folha e Estadão

Francisco Paulo Jamil Marques, Camila Mont'Alverne, Isabele Batista Mitozo

Abstract


O artigo examina como Folha de S. Paulo e O Estado de S. Paulo se posicionaram politicamente em seus editoriais acerca do impeachment de Dilma Rousseff. O estudo comparativo abrange as dimensões quantitativa e qualitativa de 507 editoriais (FSP=156; OESP=351) publicados entre 2015 e 2016 que mencionam “impeachment” ou “impedimento”, analisados por meio de Análise de Conteúdo. Propõem-se três hipóteses: Os editoriais de FSP e OESP: H1) Constroem, de forma sincronizada com o desenvolvimento do processo de impeachment nas esferas institucionais, a ideia de legitimidade do afastamento de Dilma; H2) Apresentam pontos de vista semelhantes em relação ao impeachment; H3) Ancoram a legitimidade do afastamento de Dilma, essencialmente, em argumentos jurídicos. Os resultados apontam que: os editoriais pautam o impeachment antes mesmo de a ação se iniciar institucionalmente; ambos se preocupam em validar o afastamento, mas mobilizam argumentos distintos; OESP defende o impeachment como saída mais adequada, enquanto FSP prefere a renúncia de Dilma e Temer, seguida de novas eleições.

Keywords


Jornalismo Político, Editoriais, Impeachment.

Full Text:

PDF


DOI: https://doi.org/10.15847/obsOBS12320181166

License URL: http://creativecommons.org/licenses/by-nc/2.0/