Comunicação multimodal: o caso da abordagem sócio-semiótica às narrativas transmediáticas

Luísa Magalhães

Abstract


O presente trabalho foca a comunicação multimodal e, em particular, uma abordagem transmediática de narrativas (storytelling cf. Jenkins 2006). Embora ancorado na tradicional semiótica narrativa referida em cima, situa-se, mais especificamente, no campo da sócio-semiótica (cf. Kress e Van Leewven 1996; 2010), debruçando-se sobre os modos e meios de expressão e de recepção de mensagens. Metodologia: A investigação qualitativa seguiu três passos metodológicos, primeiro faz-se a exposição do percurso teórico seguido, depois identifica-se a bibliografia relevante em linguística cognitiva, para acompanhar a determinação dos diferentes modos elencados para análise e, finalmente, usa-se o conceito de convergência aplicado à comunicação multimodal, a partir da abordagem sobre metáfora conceptual antes indicada como processo cognitivo de relevância semiótica. Estes pressupostos teóricos foram aplicados na análise de diferentes representações do fenómeno Harry Potter, nas suas diversas e convergentes ocorrências materiais. Análise: A análise executada confirma que os processos narrativos enquanto textos transmediáticos conseguem criar um ambiente ficcional abrangente, aberto a múltiplos contextos de interpretação e de reformulação, sendo capazes de mobilizar mecanismos de significado convergente e narrativas sequenciais que funcionam em multiplataformas de acesso frequente para uma larga audiência (Jenkins 2006). Partindo do conceito de modo introduzido por Kress e Van Leewen (1996), apresenta-se uma proposta de carácter sócio-semiótico que foca a comunicação multimodal (cf. Kress 2010) e se cruza com a teoria da metáfora conceptual introduzida por Lakoff e Johnson (1980), criando estruturas de convergência entre vários meios de acesso a cada objecto narrativo (Jenkins 2006). Discussão: Explora-se o universo narrativo de um produto utilizando os mecanismos transmediáticos, destacando uma questão de experiência cognitiva, mais do que de uso, dado que cria compromissos e desafios interpretativos que são necessários a ambos, autores e audiências (Scolari 2009). Ilustra-se esta abordagem com o exemplo das narrativas criadas à volta da personagem de Harry Potter (Rowling 1997-2007), caso em que se parte de uma série de livros e jogos analógicos, que, por sua vez, estão na origem de uma extensa produção mediática, jogos digitais e plataformas online com participação activa de comunidades de fãs do personagem. Conclusão: O estudo apresentado demonstra a pertinência do estabelecimento da proposta, sublinhando-se o carácter multimodal e, simultaneamente, transmediático das actuais formas de criação e acesso aos textos narrativos. A série pode ser considerada um exemplo significativo de narrativas transmediáticas no sentido de Jenkins (2006), dado que promove todo um conjunto de modalidades e possibilidades de representação numa variedade de suportes.

Keywords


Comunicação multimodal, narrativa transmediática, semiótica, sócio-semiótica, cognição, mecanismos cognitivos

Full Text:

PDF


DOI: https://doi.org/10.15847/obsOBS15320211795

License URL: http://creativecommons.org/licenses/by-nc/2.0/